in

O que é violência obstétrica? Os detalhes sobre as acusações da influenciadora Shantal contra médico

A influenciadora digital falou sobre a violência obstétrica que sofreu durante o parto da segunda filha.

Reprodução Redes Sociais (Montagem: G1)

A influenciadora digital Shantal Verdelho viralizou nas redes sociais após um desabafo sobre violência obstétrica. Quase três meses depois de ter dado à luz a segunda filha, Shantal fez sérias acusações sobre o que viveu durante o nascimento da herdeira. Em vídeos vazados e áudios, a influencer contou, para amigas próximas, a conduta do profissional durante o parto.

Publicidade

O médico que realizou o parto teria tido uma postura que ela não havia percebido. “Não dá para assistir ao vídeo, ele me xinga o trabalho de parto inteiro“, desabafou a influenciadora. Os vídeos e áudios que foram divididos com amigas acabaram vazando e levantando um debate muito importante sobre a violência obstétrica.

Em trechos curtos de algumas imagens, é possível escutar a voz do médico, Renato Kalil, gritando palavras de baixo calão, ao mandar que ela fizesse força para o expulsivo, que é o momento que o útero chega à dilatação máxima, iniciando de fato o nascimento da criança. Já no áudio da famosa, ela diz não ter notado na hora o que realmente estava ocorrendo, devido à intensidade que é o trabalho de parto.

Publicidade

A influecer afirmou que o obstetra chegou a expor os seus órgãos genitais ao marido, Matheus Verdelho, ao defender uma episiotomia, procedimento que visa fazer uma incisão no períneo, algo que ela tinha optado por não realizar. Shantal relatou que ficou 48 horas em trabalho de parto, precisando de intervenção para que a bolsa fosse rompida. Além disso, ressaltou que teve laceração grau 1 e 2, que acaba atingindo mucosa, gordura e pele.

Publicidade

Violência obstétrica

De acordo com a especialista no assunto, a ginecologista obstetra Bárbara Murayama, qualquer tipo de procedimento que é feito sem o consentimento da paciente pode ser caracterizado como violência obstétrica – ou até mesmo quando um atendimento é negado.

Publicidade

Desta forma, agredir verbalmente, não oferecer medicação para aliviar a dor, fazer uma cesariana desnecessariamente, amarrar a gestante, exame de toque com frequência ou proibir entrada de acompanhante na sala de parto são considerados violência obstétrica.

Publicidade

Escrito por Shyrlene Souza

Redatora na web desde 2016, formada em ciências contábeis, apaixonada pela redação desde criança. Escrevo sobre assuntos diversos, famosos, maternidade e notícias que se destacam no Brasil e no mundo.