in

Influenciadora Rosy Pasti fala sobre machismo no mundo do humor

Rosy Pasti utiliza do humor em suas postagens e acredita que o público está aceitando mais as mulheres na comédia.

Divulgação

A ascensão de mulheres comediantes é recente ao analisar o tempo de carreira de nomes como Tatá Werneck e Dani Calabresa e compará-lo aos de outros astros do humor. Enquanto faltam dedos para contar o número de homens comediantes brasileiros de sucesso, o número de mulheres de referência nesse segmento ainda é baixo.

Publicidade

Entretanto, a influencer Rosy Pasti acredita que já houve avanços, principalmente impulsionadas pela internet, que apresentou ao mundo personalidade com GKay e Bruna Louise. “Antes só os homens faziam humor, mas agora vejo muitas mulheres, sigo várias que fazem humor, algumas foram apedrejadas no começo, mas já conquistaram respeito”, afirma. A irreverência é uma das marcas da influencer, que gosta de arrancar risadas das seguidoras. “No começo fiquei receosa, achava que só homens poderiam fazer humor, mas hoje para mim está de boa, tenho aceitação”, completa.

Em 2020, o canal exclusivo de comédia Comedy Central lançou o primeiro programa do gênero feito apenas por mulheres, o A Culpa é da Carlota, uma contraposição ao A Culpa é do Cabral, composto apenas por homens, tônica da maioria das atrações de comédia no mundo.

Publicidade

As comediantes já citadas, Dani Calabresa e Tatá Werneck, revelaram em entrevistas terem sofrido assédio e discriminação por serem mulheres. Uma delas foi dada por Tatá para a série Viver do Riso, apresentada pela Globo em 2019. Calabresa compartilhou histórias sobre assédio e desrespeito com o apresentador Pedro Bial, também da TV Globo, em julho de 2020. Para Rosy, o machismo está começando a ficar para trás.

Publicidade

É com nomes como esses ganhando projeção que as mulheres vão conquistando espaços nesse meio que ainda é majoritariamente masculino. Estamos evoluindo neste assunto, ao ponto de não apenas eu me sentir mais confortável em fazer humor humor nas redes sociais sem ser estigmatizada, mas também outras centenas de personalidades femininas que tem esse trabalho como ganha pão”, afirma Rosy Pasti.

Publicidade
Publicidade