in

Comendo mal, dormindo à base de remédios e sem peruca; Flordelis estaria vivendo um inferno na prisão

A ex-parlamentar foi presa acusada pela participação da morte do seu marido, o pastor Anderson do Carmo.

O Dia/Divulgação

Presa desde o dia 13 de agosto, a ex-deputada federal e pastora evangélica Flordelis estaria vivendo dias difíceis na penitenciária Talavera Bruce, situada na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Ela responde pelo assassinato do próprio marido, o também pastor Anderson do Carmo.

Publicidade

A foto do momento de sua entrada no sistema prisional carioca já denota sua fisionomia abatida. Acostumada a aparecer sempre bem vestida e arrumada, a imagem do presídio mostra a pastora sem qualquer maquiagem e também sem a sua tradicional peruca, que não é permitida na unidade.

Segundo o Portal Uol, a rotina da deputada no presídio é basicamente ficar na biblioteca lendo livros religiosos. De acordo com fontes ouvidas, Flordelis se alimenta muito pouco, apesar de ter ao seu dispor três refeições diárias. Pela manhã, a detenta é servida com pão com manteiga e café, enquanto no almoço e no jantar tem a sua disposição arroz, feijão, salada e uma proteína.

Publicidade

Os advogados da ex-parlamentar afirmam que ela está vivendo uma profunda tristeza por tudo que aconteceu. Segundo eles, Flordelis só consegue dormir à base de medicamentos, no entanto, isso já era uma constância em sua vida mesmo antes da prisão.

Publicidade

No atual momento, a ex-deputada pede na justiça a permissão para continuar a fazer o seu curso de Ciências Políticas. Ela gostaria de permanecer estudando enquanto aguarda a sua soltura. Seus advogados continuam otimistas com a possibilidade de a pastora ser solta. De acordo com a defesa de Flordelis, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) está analisando o mérito da petição impetrada por eles.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Jean Marangoni

Influenciador digital responsável pelas páginas 'Mussum Sinceris' nas redes sociais, trabalho também com jornalismo online há 3 anos. Para sugestões entre em contato: jeanmarangoni@gmail.com