in

Após voltar ao Brasil por causa de grave doença, ex-Paquita não consegue contato com filho há dois anos

Luise desabafou sobre a situação durante entrevista para a colunista Patrícia Kogut.

Reprodução/Instagram oficial de Luise Wischermann

Luise Wischermann participou recentemente de uma entrevista para a colunista Patrícia Kogut, do jornal O Globo, falando um pouco sobre sua convivência com o filho de 15 anos que mora no Canadá. A ex-paquita precisou voltar ao Brasil após ser diagnosticada com esclerose múltipla e o adolescente continuou morando com o pai no Canadá.

Publicidade

Ao começar a entrevista, Luise contou que não tem contato com o filho desde 2019, e já teria tentado trazê-lo para morar com ela no Brasil, mas não obteve êxito na Justiça. Além disso, afirmou que esses dois anos sem contato com o jovem tem sido bastante difícil e que ele não quer mais falar com ela, nem responder seus e-mails ou ligações.  

Segundo Luise, todos seus problemas de relacionamento com o adolescente começaram durante uma viagem para a Suíça, feita em 2019, com a família dela. A criança já teria chegado ao local com bastante raiva da mãe e de sua família, fazendo diversas acusações sobre sua convivência com o ex-marido e sua saída do Canadá.

Publicidade

A ex-paquita contou que, assim que chegou na Suíça, o filho disse saber o motivo dela ter deixado o Canadá e a acusou de ter roubado o dinheiro de seu pai antes de partir. Ela tentou argumentar dizendo que foi embora devido o diagnóstico de uma doença séria e precisava do apoio de sua família, pois estava sozinha no Canadá.

Publicidade

Além disso, contou para o jovem que trabalhou como importadora das Havaianas no Canadá por cerca de cinco anos e nunca precisou do dinheiro do pai dele, afirmando que gastou todo seu dinheiro com os advogados em seu divórcio.

Publicidade

Luise ainda declarou que seu divórcio com o ex-marido foi amigável, mas que os dois não possuem mais contato desde o término do relacionamento. Ela encerrou revelando que pretende solicitar ajuda ao Observatório da Alienação Parental e depois voltar ao Canadá para tentar resolver de vez a situação, mesmo tendo bastante receio de não ser recebida pelo filho.

Publicidade
Publicidade
Publicidade