in

Mesmo falecido há mais de dois anos, ator vence processo trabalhista contra a Record TV

A indenização está estipulada em torno de 60 mil reais e a emissora, ainda, poderá recorrer da decisão.

Globo

O ator Caio Junqueira, que morreu em 2019, aos 42 anos, vítima de um grave acidente automobilístico, no Rio de Janeiro, venceu em segunda instância o processo que movia contra a Record TV, emissora na qual trabalhou durante oito anos, de 2008 a 2016.

Publicidade

Em 2017, Caio resolveu entrar com uma ação trabalhista contra o canal para que o seu vínculo trabalhista fosse devidamente reconhecido.

Após o falecimento do ator, o processo ficou sob a responsabilidade de sua mãe, Maria Inês Torres. Mas como ela também morreu em 2019, o também ator Jonas Torres, irmão de Caio, assumiu a ação jurídica, que teve a sentença decretada no final da última semana.

Publicidade

Nesse processo, Caio pleiteava o pagamento correspondente aos direitos que não foram acertados pela Record TV, pois teve que recorrer a uma empresa jurídica para que pudesse assinar o seu compromisso com a emissora e além disso, cumpriu todos os horários e obrigações determinadas pela emissora e também seguiu à risca o contrato de exclusividade com a casa.

Publicidade

O convite para integrar o elenco fixo do canal surgiu quando o ator fez grande sucesso no filme Tropa de Elite quando viveu Neto, um dos policiais da história.

Publicidade

Na Record TV chegou a participar de A Lei e o Crime, Ribeirão do Tempo, Milagres de Jesus e José do Egito e Conselho Tutelar entre outras produções.

O valor da indenização gira em torno de 60 mil reais e a Record TV ainda poderá recorrer da decisão.

Com 33 anos de carreira, o ator faleceu no dia 23 de janeiro de 2019 após sofrer um trágico acidente de carro no Aterro de Flamengo, Rio de Janeiro. Ele estava solteiro e não deixou filhos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade