in

Depois de ter sido vítima de agressão, Luiza Brunet afirma estar pronta para um novo amor: ‘Na pista’

A ativista contra a violência doméstica está em reconstrução após agressão.

Instagram Luiza Brunet

Cinco anos após ter sido vítima de agressão do homem com quem era casada, Luíza Brunet conseguiu se reconstruir. Prestes a fazer 60 anos, a artista e empresária precisou ficar um período sozinha até conseguir se recompor e transformar seu sofrimento em esperança. Hoje, a bela é vista como referência no combate à violência doméstica e afirma que está pronta para um novo relacionamento.

Publicidade

“Você fica meio receosa quando conhece alguém. É difícil entregar o coração. Mas estou buscando. Como diz o pessoal jovem, estou na pista (risos)”, declarou a mãe de Yasmin Brunet.

Durante entrevista ao Notícias da TV, Luíza contou que ”busco homens que tem algum conteúdo para oferecer, gosto de homens mais velhos, que tem um comportamento que me agrade e que seja parecido comigo”. Embora seja difícil, ela acredita que ainda possa existir homens que queiram uma mulher mais velha, ativista e independente.

Publicidade

Publicidade

Você fica meio receosa quando conhece alguém. É difícil entregar o coração. Mas estou buscando. Como diz o pessoal jovem, estou na pista (risos)“, brincou.

Publicidade

Luíza nunca deixou se abater, mesmo quando aguardava a Justiça ser feita contra o homem que lhe agrediu. Há cinco anos, a mulher foi agredida pelo seu companheiro na época, o empresário Lirio Parisotto, ela chegou a ficar com o olho roxo e quebrou quatro costelas. Em seguida, decidiu denunciar tudo que estava sofrendo, no ano passado o ex-parceiro recebeu a condenação da Justiça. Ela afirma que precisou esperar quatro anos até conseguir respirar aliviada.

Segundo Brunet, ”quando a vítima recebe a notícia que seu agressor foi condenado restaura muito sua própria identidade e a sua verdade”.

Após esse acontecimento, a modelo se tornou símbolo de socorro para outras vítimas. Embora já trabalhasse com causas sociais, começou a atuar diretamente na linha de frente para combater à violência. Luíza também foi vítima de abuso sexual na adolescência e presenciou a mãe ser agredida pelo pai durante esse período.

Publicidade
Publicidade
Publicidade