in

Goleiro Bruno ‘esquece’ filho em entrevista e traz revelações sobre novo rumo na vida: ‘não é nada fácil’

Menino de 11 anos vive com a avó materna e já manifestou desejo de ficar frente à frente com o pai.

DIVULGAÇÃO / AMAZONAS NEWS

Cumprindo regime semiaberto nos últimos dois anos por conta do caso de morte da modelo Eliza Samúdio, o goleiro Bruno concedeu entrevista ao canal “Nação Urubu 81” nesta semana, e trouxe novas revelações sobre planos para a sua vida pessoal após a retomada da carreira no futebol não despontar.

Publicidade

Em tom de desabafo, Bruno culpou a mídia pelo seu fracasso na volta aos gramados. O ex-goleiro do Flamengo disse “ter lenha para queimar”, mas se vê condenado pela imprensa a uma “prisão perpétua”. Diante do insucesso no futebol, o atleta passou a se dedicar ao mercado financeiro, onde tem estudado para se tornar um trader de sucesso. 

Bruninho não mencionado

Durante a entrevista, Bruno explicou a sua opção pelo mercado financeiro, e não citou o filho Bruninho, criança fruto do relacionamento dele com a modelo Eliza Samúdio, que atualmente tem 11 anos, e mora com a avó. Na fala, o ex-goleiro do Fla cita somente os outros três filhos.

Publicidade

“Tenho três filhos pra cuidar, hoje a prioridade da minha vida é o mercado financeiro. Tem que estudar bastante, porque não é nada fácil como vendem por aí. Tenho como suporte a minha mentora”, disse Bruno. 

Publicidade

Acordo desfeito

 Após defender o Rio Branco, do Acre, na temporada passada, Bruno chegou a ser anunciado como reforço do Atlético Carioca no primeiro semestre. Contudo, semanas depois, o time que disputa a terceira divisão do Rio, acabou oficializando que o negócio foi desfeito.

Publicidade

Antes mesmo da notícia que tinha acertado com um novo clube, Bruno publicou um vídeo em suas redes sociais anunciando aos seguidores que estava se “aposentando” do futebol para iniciar sua trajetória no mercado financeiro. Desde quando iniciou as tentativas de retomar a carreira dentro das quatro linhas, Bruno se deparou com inúmeros protestos e movimentos contrários à sua contratação pelas equipes onde foi cotado. 

Publicidade