in

Denúncia de assédio atinge a Globo em cheio mais uma vez: ‘estava uma delícia’

Jornalista anunciou saída da Globo ontem, e supostos assédios vieram à tona.

Globo / Getty Images

Após o caso de assédio envolvendo Marcius Melhem, ex-diretor do núcleo de humor da TV Globo, a emissora enfrenta agora nova notícia de assédio que teria acontecido em suas dependências. Dessa vez, as denúncias envolvem o departamento de esportes da maior emissora do Brasil.

Publicidade

De acordo com o Notícias da TV, a Globo responde na Justiça do Trabalho por processo movido por ex-funcionária que teria sido assediada por superior. A autora da denúncia não foi identificada, mas o denunciado é o jornalista Carlos Cereto.

Cereto deixou a Globo ontem (1º), após 20 anos de trabalho. Neste período, o jornalista foi repórter e diretor de redação do canal fechado SporTV. Na ação movida pela ex-funcionária, a ré é a Globo, que teria sido omissa e conivente no caso de assédio moral ocorrido entre 2012 e 2015.

Publicidade

Detalhes do caso de assédio são revelados

O Notícias da TV divulgou trechos do caso de assédio. Carlos Cereto teria assediado a profissional quando era seu superior. A mulher pediu para mudar de área, foi atendida, mas tempos depois Cereto voltou a ser seu chefe porque o departamento para onde ela foi passou a ser também chefiado pelo jornalista.

Publicidade

Em trecho do depoimento, a denunciante afirma que Cereto “assediava a depoente dizendo que a depoente estava uma delícia, beijava sua mão, e a fazia dar uma voltinha, fatos que constrangiam a depoente”. A Globo foi condenada em primeira instância a pagar cinco salários para a ex-funcionária. O valor exato do processo não foi divulgado. O caso corre em segredo de justiça.

Publicidade

Globo não comenta casos de assédio

A emissora adota a política de não comentar investigações internas. Carlos Cereto, que não é réu, também não fala sobre o assunto e diz que é a Globo quem tem que se manifestar. Segundo o jornalista Gabriel Vaquer, há outras duas denúncias de assédio contra o jornalista. 

Os três casos teriam ocorrido entre 2012 e 2015. O que teria revoltado os envolvidos é que depois disso, em 2019, Carlos Cereto ganhou programa no SporTV. O ‘Acabou a Brincadeira’ não foi bem no Ibope e durou apenas um ano. Depois disso, Cereto foi direcionado para o Seleção SporTV. Neste ano, ele pediu para retornar para São Paulo e foi atendido pela direção do canal.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!