in

Afiliada da Globo usa palavras fortes em notícia sobre Bolsonaro e a pandemia: ‘genocídio e negacionismo’

Reprodução Globo

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vive uma relação conflituosa com a maior emissora do país, a TV Globo. Bolsonaro já criticou a emissora em diversas oportunidades e chegou até a ‘apontar sua metralhadora’ contra William Bonner, apresentador do Jornal Nacional.

Publicidade

Com a pandemia do coronavírus, esta situação ficou ainda mais forte. Nesta quinta-feira (12), o RJ2 regional, exibido pela InterTV, afiliada da Globo em algumas cidades do Rio de Janeiro, não poupou Bolsonaro ao falar sobre a Covid-19.

O telejornal, exibido na faixa noturna, tornou-se uma das vozes da população do Rio diante de tudo o que tem acontecido na pandemia do coronavírus. O presidente Bolsonaro, como chefe máximo da nação, foi alvo diversas vezes, inclusive na edição de ontem (11/03).

Publicidade

Sem meias palavras, o noticiário exibiu reportagem sobre o primeiro ano de pandemia no Brasil. “O negacionismo”, era a manchete que aparecia no gerador de caracteres. “O ato de fingir que a Covid não existe promoveu um genocídio no estado do Rio e no Brasil”, dizia o texto que aparecia na tela. Bolsonaro era o alvo das críticas. O presidente é chamado por alguns críticos de genocida e negacionista.

Publicidade

RJ2 não tem meias palavras

O telejornal da Inter TV costuma chamar a atenção dos telespectadores. Há poucas semanas, o âncora Alexandre Capiche ensinou ao público como votar para Karol Conká ser eliminada do BBB21. O telejornal adota um tom informal em alguns momentos. O jornalista já chegou a entrar nos estúdios vestindo a camisa do Flamengo.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!