in

BBB21: presidente da Fundação Palmares diz que reality ‘desmascarou’ movimento negro

Reprodução/O Globo

No Twitter, o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, que frequentemente usa as redes sociais para criticar posicionamentos defendidos pelo movimento negro no Brasil, comentou sobre o Big Brother Brasil 21, da Globo, e afirmou que o programa deste ano desmascarou o posicionamento “rancoroso” e “vitimista” que o movimento adota em suas políticas.

Publicidade

Camargo ressalta que, como ele tem dito há anos, o movimento negro é uma influência para os pretos que o ingressam e seguem sua cartilha identitária. Diante disso, Sérgio diz que eles se tornam “pretos vitimistas, rancorosos” e, em muitas vezes, racistas.

Diante das declarações, Sérgio Camargo diz que a prova do que ele está dizendo pode ser vista por todos no BBB. “A máscara caiu”, disse Sérgio, argumentando que ele estava certo.

Publicidade

Publicidade

No entanto, vale ressaltar que esta não é a primeira vez que o presidente do Palmares comenta sobre o assunto. Em outra publicação, realizada no início de fevereiro, ao falar sobre o BBB21, Camargo chegou a se referir aos integrantes do movimento negro como “crias do esquerdismo” que tenta os invadir.

Publicidade

Camargo diz não ter como negar que essa edição do reality show tem um benefício. Segundo ele, o programa vem mostrando, em tempo real, que realmente existem “pretos racistas”. Assim como na publicação recente, Camargo também afirmou que “a máscara caiu”.

Vale ressaltar que esta edição do Big Brother Brasil, que estreou no fim de janeiro, está dando o que falar nas redes sociais, principalmente, algumas atitudes tomadas pela rapper Karol Conká. Logo nos primeiros dias do programa, a cantora foi acusada de xenofobia ao fazer um comentário sobre a paraibana Juliette. Dias depois, Conká voltou a causar polêmica ao impedir Lucas Penteado de comer à mesa ao lado dos demais confinados.

Publicidade
Publicidade
Publicidade