in

Dumbo evolui do desenho e se mostra o mais crítico e maduro filme Disney

Disney

Dumbo é um desenho histórico. Lançado em 1941 e a quarta animação da Disney, em uma época em que eles lutavam por suas finanças, de forma que Dumbo foi desenhado de forma simplista e é um dos mais curtos da Disney, e tal qual o elefantinho voador, o milagre foi alcançado e as perdas financeiras revertidas, possibilitando que a Disney crescesse para virar o que é hoje. Então não é nenhuma surpresa que a Disney tenha resgatado Dumbo para seu projeto Live Action, quase 80 anos mais tarde, pois dificilmente as gerações mais jovens conhecem essa bela história. 

Publicidade

Já na sua versão de filme, a Disney optou por sair da caixinha e trazer um diretor controverso e com assinatura própria. Tim Burton, responsável por moldar diversas distopias e animações sombrias, parece se reinventar ao fazer a mais crítica de todas as produções Disney, com a sensibilidade alcançada em Peixe Grande e Outras Histórias. Dumbo parece se consolidar como autocrítica e um alerta para caminhos que a própria Disney não pode seguir, e que até a obtenção do lucro e a criação da magia tem limites que não podem ser ultrapassados. Relembrando o enredo de forma rápida, no circo nasce um elefante com grandes orelhas, e que se mostra capaz de voar, o que rapidamente vira objeto de cobiça de exploração desmedida. Esse ponto fulcral une desenho e filme, mas ambos são explorados de forma diferente, com maturidade e profundidade outras, talvez pela separação de quase um século entre as duas obras.  

O ponto de partida para o filme do Dumbo é a volta de um soldado da primeira grande guerra, sem um braço, na figura do sempre carismático Collin Farrel, cuja esposa havia falecido e os dois filhos haviam sido criados pelo circo, administrado por Danny Devito, velho conhecido de Tim Burton em seu Batman Returns. A perda de identidade de homem completo de Farrel, sentindo-se um pária, faz o mesmo criar rápida empatia pelo pequeno elefante de orelhas gigantescas. Quando o mesmo se mostra capaz de voar, acreditando se tratar do poder conferido por uma pena, Dumbo se torna alvo do mega empresário vivido por Michael Keaton, o Batman de Burton, que coleciona preciosidades circenses entre seus troféus, inclusive a deslumbrante Eva Green. Embora o “núcleo humano” seja totalmente novo, o mesmo é necessário para dar a profundidade pretendida – e alcançada pelo Diretor, que ainda consegue passar a mensagem sobre ser único, ser especial e acreditar em sí mesmo como maior trunfo. 

Publicidade

Repleto de alegorias, atuações envolventes e um sutil equilíbrio que envolve a discussão de temas como família, deslumbramento, magia, lucro e liberdade, muitas são as leituras que podem ser feitas desse novo Dumbo, no qual os efeitos especiais compõe a narrativa sem eclipsá-la, mas a principal delas é que a Disney conseguiu amadurecer suas produções e soube aprender com a Pixar, em especial com John Lasseter, como construir sua estória em camadas, atingindo diversos públicos ao mesmo tempo. Deslumbrante visualmente (em especial na sua réplica de Epcot Center), maduro em narrativa e sensível em direção, Dumbo supera as demais adaptações da Disney até o momento e cria o patamar que caberá à Rei Leão superar, mostrando que o novo consumidor Disney amadureceu e quer mais que efeitos bonitinhos.  Bravo.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem.