in

Cobra Kai vai surpreender como um ataque do infame Dojo

netflix

A crise de ideias novas em Hollywood, somada com um certo esgotamento dos filmes de heróis após um ciclo virtuoso, acabou por fortalecer a recuperação de boas histórias do passado, e ao que tudo indica, está conseguindo se livrar da pecha de eternos caça-níqueis que produções assim tinham até pouco tempo. Ainda assim, houve um certo sentimento de nariz torcido quando veio a público a notícia que sairia uma série que resgataria Daniel San e Jhonny Lawrence em suas vidas adultas, despertando certa curiosidade quando foi dito que o foco seria justamente no Cobra Kai caído em desgraça.

Publicidade

Publicidade

Três temporadas depois, a desconfiança foi derrotada com um golpe certeiro e a série passou a queridinha do povo, ansioso pela quarta, que deverá ser a derradeira temporada. Isso porque Cobra Kai resgata Jhonny Lawrence como um perdedor, nunca tendo reconstruído sua vida após a derrota para Daniel-San, que por sua vez virou um bem-sucedido, e levianamente arrogante, empresário de concessionárias automobilísticas. De forma inteligente, a série deixa o expectador curtir a desgraça da vida de Jhonny até cansar, para daí focar na narrativa.

Publicidade

Publicidade

A contextualização do conceito e da falsa dicotomia de vilão e herói rapidamente assume a tônica de todos os arcos narrativos, deixando claro que Karate Kid era a história sob a ótica de Daniel San, enquanto que a primeira temporada de Cobra Kai revisita a narrativa sob a ótica de Jhonny. Como muitas primeiras temporadas, não é genial, tampouco é ruim, e talvez até por isso a Netflix tenha soltado a segunda temporada junto.

E é justamente na segunda temporada que as coisas engrenam. Mais nostálgica que a primeira, a série explora mais o legado de Miyagi e a conexão de Daniel com sua herança karateca, no sentido de buscar o triunfo contra os redivivos Cobra Kai, cuja grande estrela é o jovem Miguel, um aluno que encontrou no karatê a auto defesa e um propósito. Mas como não podia deixar de ser, cada um somente consegue dar aquilo que possui, e no caso Jhonny não tem como evitar os maus exemplos que o ensinaram, apesar de ter aprendido muitas lições com seu fracasso. E é justamente nesse momento que a série começa a trazer de voltas personagens originais de grande impacto, tudo culminando em um final de temporada extremamente bem feito e inusitado, que faz o expectador segurar a respiração até a chegada da terceira temporada.

O terceiro ato traz muitas reviravoltas, algumas previsíveis e outras tantas inesperadas, se valendo do maior trunfo da série até o momento, o retorno de mais personagens relevantes da trilogia dos anos 80, emulando essa no sentido de trazer o Japão de volta à vida de Daniel, combinando sua vida adulta com a sua trajetória de narrador. E se o menino é o pai do homem, Daniel, e porque não Jhonny, tem seu momento de confrontar suas crianças interiores, e até mesmo entender seus legados através da visão e das consequências com seus filhos, e que lições queriam que aprendessem. E isso tudo caminha de forma orgânica para um final menos dramático que no ano anterior, mas de maior expectativa.

Assim, e pelo tanto que foi construído, tudo indica que a quarta temporada vai dar tons finais à eterna, e muito bem desenvolvida, rivalidade, às vezes beligerante, às vezes engraçada, mas sempre divertida, entre Daniel San e Jhonny Lawrence. Nenhum dos dois se tornou seu mestre, mas ambos trazem um pouco dos aprendizados somados à própria bagagem para trazer ensinamentos à nova geração, uma geração conectada com as dores do tempo atual, sem perder de vista os medos eternos da juventude. Verdadeiro ippon da Netflix.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem.