in

Atriz da Globo morreu em festa de réveillon que matou 55 pessoas e gerou enorme comoção nacional

Arquivo Globo/Montagem Guti M.

Muita gente não sabe, mas na virada do ano de 1988 para 1989, uma tragédia marcou o início do ano com a morte de várias pessoas, incluindo uma famosa atriz da TV Globo. A atriz estava no barco Bateau Mouche IV que ia para Copacabana ver a famosa queima de fogos que têm todos os anos, com exceção de 2020.

Publicidade

O barco não chegou ao local, mas uma equipe da TV Globo aguardava para fazer a cobertura, quando acabaram se deparando com um trágico acidente. O barco estava acima de sua capacidade de passageiros e acabou afundando na Baía de Guanabara.

O barco afundou dez minutos antes da queima de fogos da virada. A atriz Yara Amaral, que era figura constante em grandes sucessos da Globo, como Fera Radical, Anos Dourados e Dancin´s Days, estava a bordo, mas não sabia nadar e acabou morrendo afogada.

Publicidade

Outros atores da emissora poderiam ter morrido no acidente, conforme foi noticiado na época pelo jornal Notícias Populares. Yolanda Cardoso declarou que só não foi ao passeio, pois Yara demorou para ir buscá-la. Sérgio Manfredi contou que foi convidado para estar no barco, mas como tinha outro compromisso no horário, acabou recusando.

Publicidade

A equipe da Globo foi a primeira a filmar tudo o que acontecia, pois estava perto do local para fazer a cobertura do réveillon. A Globo fez a cobertura completa da tragédia da madruga do dia primeiro ao decorrer de todo o dia.

Publicidade

A jornalista Sandra Moreyra estava na cobertura naquele dia e gerou muita polêmica, pois ela estava grávida e o público achava que o clima de morte e desespero em frente ao hospital era muito grande para uma gestante. Após ser mandada para casa, ela soube que várias pessoas tinham ligado na Globo para pedir que ela fosse afastada da cobertura por conta da gravidez.

Já se passaram mais de trinta anos desde que essa tragédia aconteceu e ainda existem processos na justiça em busca de indenização. Ao todo, 55 pessoas morreram, incluindo Yara e sua mãe, Elisa do Amaral.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Guti M

Redator de entretenimento e curiosidades