in

Exclusivo: mansão de Paloma Duarte e Bruno Ferrari entra em leilão judicial pela metade do preço

Jornal Extra

Casados desde 2012, a atriz Paloma Duarte e o ator Bruno Ferrari tiveram uma mansão de R$ 2,5 milhões confiscada pelo banco, que já realizou, inclusive, três leilões para tentar vender o imóvel. Eles alegam que foram vítimas de um calote durante a venda para um produtor rural do Mato Grosso. Segundo o casal, como parte do pagamento foi acordado que o comprador daria continuidade do financiamento em dois anos com o banco,  o que não aconteceu.

Publicidade

No contrato celebrado foi fixado a venda por R$ 2,5 milhões. Destes, R$ 150 mil recebidos à título de sinal, R$ 50 mil no ato de assinatura, cinco parcelas de R$ 200 mil,  depois mais uma de R$ 250 mil. Entretanto, restaria ainda outra metade a ser paga no valor de R$ 1 milhão e 250 mil referente ao restante do financiamento do casa. Após receber as chaves, o comprador teria no máximo dois anos para quitar esse valor.

De acordo com o casal, os meses foram passando, o produtor rural não assumiu os pagamentos e nem transferiu as contas para o seu nome, além de não arcado com o financiamento.

Publicidade

Paloma Duarte e Bruno Ferrari são surpreendidos após venda do imóvel

O comprador não alterou a titularidade das contas e o valor acumulado de IPTU já totalizava R$ 25 mil, enquanto as cotas do condomínio R$ 14 mil, além de outras faturas como energia elétrica. Paloma e Bruno acionaram a Justiça sinalizando que o comprador tinha uma dívida que já chegava a R$ 1.370 milhão, quase 60% do valor do bem. A atriz já havia solicitado um cheque especial de R$ 48 mil para continuar pagando as contas do imóvel vendido e evitar que seu CPF fosse inscrito nos cadastros restritivos de crédito. Além disso, gastou mais de R$ 60 mil para quitar algumas parcelas do financiamento,  com medo que o banco tomasse. 

Publicidade

O casal tentou retomar a posse do imóvel alegando à Justiça sofrimento com as cobranças e constantes ameaças de execuções fiscais, que poderiam ser movidas pelo banco credor do financiamento, pelo condomínio e pela própria Fazenda Municipal em decorrência dos impostos. Além disso, como o comprador não havia quitado o restante do financiamento, reforçaram o pedido para recuperar a posse do imóvel e pediram a aplicação de uma “taxa de ocupação” sobre o comprador inadimplente (uma espécie de aluguel) de R$ 12.500 mensais, além de uma indenização de R$ 60 mil. Somando tudo o valor da ação proposta pelo casal já chegava ao valor do imóvel (R$ 2,5 milhões). Só de custas processuais o casal desembolsou R$ 34 mil.

Publicidade

Justiça não aceita pedidos do casal

O empresário afirma que pagou metade da casa e que, portanto, faltaria apenas o valor atrelado ao restante do financiamento com o banco, cerca de R$ 1 milhão e 200 mil. Mas os comprovantes apresentados de longe atingem o valor que o mesmo diz ter desprendido. Justificou então que pagava diretamente ao casal as parcelas restantes do financiamento, e que não sabia porque o dinheiro não estava sendo usado para amortizar a dívida com o banco.

O casal, a todo instante, alertava tanto a Justiça quanto o comprador sobre a inadimplência com o banco, e chamava atenção que a casa estaria em risco com o banco, uma vez que o comprador não efetuava o pagamento. Isso porque com todas as contas e cobranças indevidas abertas em seus nomesnão tinham mais dinheiro pra continuar mantendo o pagamento do financiamento assumido pelo comprador.

Banco toma casa de luxo

Depois de dois anos discutindo o caso na Justiça, o pior aconteceu: um telegrama do banco dizendo que a inadimplência havia atingido o limite contratual e que tinham 60 dias para desocupar o imóvel para os leilões judiciais. 

O empresário suplicou à Justiça a suspensão do leilão e disse que estaria sendo violentamente surpreendido, uma vez que depositaria regularmente os valores do financiamento na conta da atriz, e que esta não estaria repassando ao banco, sem apresentar os devidos comprovantes.

Apreensivo, foi diretamente ao banco informar que quitaria a dívida, mesmo que estivesse injustiçado. Mas o banco não aceitou, pois havia firmado o contrato com o casal de atores e ninguém havia informado ao banco a troca de titularidade. Isso fez com que a própria Justiça classificasse a negociação como um “contrato de gaveta”.

A Justiça entendeu que o empresário não tinha como quitar diretamente o financiamento que não estava em seu nome e considerou que o banco não tinha relação com a briga. Dessa forma, acatou o pedido de posse do banco e autorizou o leilão.

Tanto Bruno quanto Paloma enviaram um comunicado à Justiça informando que não nutrem mais esperança em recuperar a casa, e que só querem cobrar o dinheiro devido pelo comprador. Já o empresário quer todo o dinheiro pago de volta, uma vez que o imóvel foi confiscado pelo banco. A Justiça ainda vai tomar uma decisão definitiva sobre o caso nos próximos dias.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Alessandro Lo-Bianco

Passou pelas redações da BandNews, Editora Abril, Jornal O Dia, Rádio CBN, Jornal O Globo e RecordTV. Autor de 11 livros, é atualmente colunista do programa A Tarde é Sua da Rede TV! Tem nove prêmios de Jornalismo, dois cachorros e é pai de menina.
Instagram: @AlessandroLoBianco