in

Jornal Nacional mostra cerco contra a pirataria no Brasil; prisões e aplicativos retirados do ar

Reprodução Globo

Apresentado pelos jornalistas William Bonner e Renata Vasconcellos, o Jornal Nacional é o principal telejornal da TV brasileira. Todos os dias, milhões de pessoas se reúnem em frente ao aparelho de TV para assistir ao JN da Globo.  Ontem, o Jornal Nacional exibiu reportagem especial sobre pirataria.

Publicidade

“Mais de 200 sites e 60 serviços de streaming foram tirados do ar hoje numa operação contra a pirataria digital”, anunciou Renata. A reportagem do JN mostrou todos os detalhes da operação que foi acompanhada em tempo real em uma sala de controle de Brasília e contou com a colaboração das embaixadas do Reino Unido e Estados Unidos.

A operação do Ministério da Justiça com polícias civis emitiu 25 mandados de busca e apreensão contra a pirataria digital em 10 estados: Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Bahia, Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco.

Publicidade

Durante a operação, cinco pessoas foram presas em flagrante fazendo transmissões clandestinas. Na casa de um dos presos, em Penápolis, interior de São Paulo, a Polícia Civil encontrou seis mil aparelhos que liberavam ilegalmente sinais de TVs por assinatura.

Publicidade

JN mostra prejuízo bilionário com pirataria

De acordo com a reportagem de César Galvão no Jornal Nacional, 252 sites e 65 aplicativos foram retirados do ar no Brasil. Nos Estados Unidos, foram derrubados três sites. No Reino Unido, 27. “É um serviço clandestino que se apropria do trabalho de empresas legais, sem gerar empregos e pagar impostos”, disse o repórter durante a passagem, momento em que ele aparece na tela.

Publicidade

Segundo Eduardo Carneiro, coordenador de combate à pirataria da Agência Nacional de Cinema (Ancine), o prejuízo anual da TV por assinatura é de cerca de R$ 9 bilhões. A indústria de filmes e séries perde R$ 4 bilhões por ano. O governo deixa de arrecadar R$ 2 bilhões em impostos. A pena para quem reproduz e comercializa sinais pirateados é de dois a quatro anos de prisão e multa.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!