in

Caso Padre Robson: investigação apura como fiéis humildes doavam valores milionários para Afipe

Agora RN

O caso envolvendo o padre Robson voltou a ganhar destaque na mídia. O processo de investigação em torno do padre celebridade de Goiás quer saber como pessoas humildes conseguiram fazer doações milionárias para a associação, suspeita de ter feito o desvio de altas quantias dos fiéis.

Publicidade

Um possível esquema de lavagem de dinheiro, organização criminosa e outros tipos de crimes envolvendo a Associação dos Filhos do Pai Eterno e o padre celebridade está sendo investigado pela Superintendência de Combate à Corrupção e ao crime Organizado de Goiás.

Conforme a investigação, dados referentes à movimentação suspeita somam mais de 2 bilhões de reais que movimentaram a conta da Afipe nos últimos dez anos. Os investigadores identificaram compras de fazendas, casa de praia e até avião. Ainda conforme os dados apurados pelos agentes, os bens teriam sido comprados com o dinheiro doado pelos fiéis. As autoridades tratam como desvio de finalidade.

Publicidade

O Fantástico que foi ao ar neste último domingo, 25 de outubro, teve acesso exclusivo a um relatório feito pelos investigadores. Conforme o documento, a cada dez doações da entidade, oito apresentavam irregularidade que foram confirmadas, de acordo com as análises realizadas pelas autoridades.

Publicidade

Defesa padre Robson se manifesta

A defesa do padre Robson afirmou que o MP – Ministério Público teria induzido os repórteres da Rede Globo ao erro, se referindo ao fato da Afipe ter usado o cadastro dos devotos para fazer a movimentação de valores milionários, baseado em planilhas que foram apreendidas na instituição.

Publicidade

Conforme os defensores do padre celebridade, as supostas quantias que teriam sido repassadas ao caixa da entidade, nunca existiram. A documentação aos quais o jornal Mais Goiás teve acesso sugerem que na verdade tudo não passou de um erro de digitação. Os números que estavam digitados na coluna com nome valor, na verdade seriam números de identificação dos devotos.

Publicidade