in

Padre Reginaldo Manzotti faz revelações sobre passado e se diz admirador antigo de Che Guevara e Axl Rose

UOL

Conhecido amplamente em solo nacional pelos sucesso dos seus livros e programas realizados diariamente em milhares de emissoras de rádio do país, o padre Reginaldo Manzotti concedeu entrevista exclusiva ao colunista Léo Dias, do portal Metrópoles, e trouxe várias revelações do seu passado. 

Publicidade

Completando 25 anos de sacerdócio, Manzotti contou que a sua vocação para ser padre foi despertada quando ele tinha apenas 11 anos, quando acabou enviando uma carta escondido da mãe com o intuito de ir ao seminário.

No ano seguinte, o futuro religioso foi encaminhado para a formação, mesmo com sua mãe com o coração partido ao ver o filho caçula deixar o lar precocemente.

Publicidade

No internato, Reginaldo Manzotti contou que manteve, por anos, seu cabelo cumprido em homenagem ao ídolo daquela época, o roqueiro Axl Rose, da renomada banda Guns N´Roses. Além do vocalista, o padre revelou que Che Guevara era uma grande inspiração no seu estilo contestador.

Publicidade

“Eu tive minha fase Che Guevara fortíssima. Eu usava até boina, tem uma foto minha que é de matar. Sempre usei o cabelo cumprido no seminário. Só cortei em 1989, quando pra fazer votos me disseram ‘ou corta, ou você não vai ser padre'”, disse Manzotti, que acabou abandonando suas madeixas.

Publicidade

Confira abaixo a entrevista de Reginaldo Manzotti na íntegra:

Lançamento livro

Recentemente, Manzotti lançou o seu vigésimo livro. Intitulado de “As Muralhas Vão Cair”, a obra já alcançou a impressionante marca de 5,4 milhões de exemplares vendidos. 

Na música, ele tem 15 CDs e 5 DVDs lançados, que, juntos, já venderam mais de 1,5 milhão de cópias.

Publicidade
Publicidade
Publicidade