in

Paris Hilton toma coragem e conta que foi torturada em internato: ‘vou lutar’

Paris Hilton Documentary

Em um passado não muito distante, Paris Hilton era sinônimo de glamour, festas e polêmicas. Sempre vista nas mais badaladas festas e baladas norte-americanas, a milionária era presença frequente me revistas de fofocas. A imagem criada para Paris era de alguém que pouco se importava com o que acontecia a sua volta, pensando apenas em curtir a vida e se divertir.

Publicidade

O tempo passou e a artista, que já se arriscou como cantora, foi desaparecendo da mídia e das polêmicas envolvendo famosos. Algo que foi muito positivo para Paris, que pôde se encontrar e encarar fantasmas do passado. Hoje ela está com 39 anos e com uma postura distinta do passado.

Em entrevista à revista People, Paris Hilton revelou que sofreu abusos físicos e psicológicos em um internato chamado Provo Canyon School, localizado em Utah, Estados Unidos. Tudo começou quando Paris vivia entre o mundo de glamour que sua família lhe propiciava, e o contraste da rigidez com que seus pais a tratavam.

Publicidade

Paris tinha fácil acesso a festas e baladas e por não suportar o quanto seus pais eram cruéis com a rigidez de tratamento, começou a se rebelar contra eles e ia a essas festas escondido. Os pais então decidiram colocá-la em um internato, que tinha como missão “resolver problemas comportamentais de jovens”. Esse tipo de escola é muito comum nos Estados Unidos e já foi abordado em filmes, pois os locais parecem mais batalhões do exército com tratamento rígido para adolescentes que não se comportam de acordo com as expectativas dos pais.

Publicidade

Paris foi mandada para internatos diferentes, mas o último, o de Utah, foi o mais traumático. Lá ela ouvia gritos o dia todo e afirma que as aulas não eram o foco da escola. A artista chegava a ficar confinada de castigo em uma espécie de solitária por até 20 horas por dia.

Publicidade

Ela não tinha contato com os pais ou o mundo externo e os celulares de todos os internos eram confiscados. Quando podia receber a visita dos pais, algo que ocorria a cada dois ou três meses, não podia contar o que acontecia. Ela tentou uma vez, mas isso lhe gerou terríveis consequências e teve medo de tentar novamente. Ela então escrevia cartas aos pais contando o que acontecia, mas os funcionários as rasgavam e diziam que ninguém nunca acreditaria nela.

Após onze meses no local, Paris completou 18 anos e pôde deixar o internato, mas o internato esteve presente em sua vida por muitos anos. Ao sair do local, Paris não teve coragem de falar sobre o assunto nunca mais, até completar 39 anos, ou seja, quase 22 anos após tudo o que sofreu.

Os maus tratos físicos e psicológicos vividos afetou sua vida e a forma como ela encarou o mundo dali para frente. Enquanto as revistas mostravam uma mulher sempre feliz em festas, Paris na verdade era frágil, com uma visão destorcida do que era o amor e que permitiu ser agredida física e psicologicamente por vários ex-namorados, pois devido aos traumas do internato, acreditava que aquilo era normal, embora se sentisse infeliz.

Paris gravou um documentário contando sua história. O conteúdo será exibido dia 14 de setembro em seu canal do Youtube. No vídeo, ela contará detalhes de seu passado traumático com a participação de ex-alunos do internato que confirmarão o que sofriam no local. Paris quer lutar para que lugares como o que ela foi internada fechem. A atual administração da escola disse que a escola foi vendida após Paris deixar o local e, portanto, não podem comentar um caso que aconteceu quando não eram os donos da instituição.

Paris afirmou a revista People que assistirá o documentário ao lado dos pais, pois finalmente não tem mais medo de contar tudo o que lhe aconteceu e isso permitirá que ela siga em frente livre desse fantasma. A empresária acredita que esse será um momento emocionante para ela e a família.

Publicidade
Publicidade

Escrito por Guti M

Redator de entretenimento e curiosidades