in

‘Crime bárbaro, crime covarde’: até delegado fica boquiaberto ao detalhar o que Flordelis teria feito

EXTRA

“Crime bárbaro, crime covarde”, foi assim que o delegado do caso Anderson do Carmo, Antônio Ricardo Lima Nunes, mencionou com destreza como o religioso teria sido assassinado. Flordelis era casada com a própria vítima, e, segundo a investigação da polícia, ela teria planejado por cerca de um ano o momento certo de tirar a vida do marido.

Publicidade

Por ter imunidade paramentar, a deputada federal não pôde ser presa em flagrante. A investigação tem depoimentos chocantes, como de testemunhas que afirmam que a casa da pastora era um verdadeiro centro de orgias. Isso porque conteria rituais secretos, além de detalhes que teriam até sangue. 

Flordelis, ao ver a polícia chegando a sua casa, teria chorado um pouco. Pelo menos cinco dos seus filhos e uma neta teriam sido presos na operação Lucas 12.

Publicidade

“Ela foi surpreendida com a nossa chegada. Chorou um pouco. Tem muita gente dentro da casa. O importante é que as prisões foram cumpridas e a investigação chegou ao fim hoje.”, disse o delegado detalhando tudo o que gira em torno desse tema. 

Publicidade

“A investigação chegou a essa conclusão: que ela planejou esse assassinato covarde. Motivação é porque ela estava insatisfeita com a forma que o pastor Anderson tocava a vida e fazia a movimentação financeira da família“, disse o delegado em entrevista ao telejornal Bom Dia Rio, da TV Globo, no Rio de Janeiro. 

Publicidade

Muitos internautas comentaram a situação. “Operação prende parentes de Flordelis e denuncia deputada como mandante da morte do marido.  Uma “flor de pessoa”, crente, temente a deus, da família tradicional brasileira, patriota e tudo mais… Sei..”, disse um dos internautas, como pode ser visto acima. 

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por FERNANDO B

As melhores notícias você encontra por aqui. Conheça essas e outras histórias.