in

Lembra do grupo Twister? Os ex-integrantes estão irreconhecíveis e com vidas bem diferentes

Chico Audi/Abril Music

Em 2001, o Brasil conheceu a banda Twister. Lançados no Domingo Legal, na época apesentado por Gugu Liberato, o grupo chegou em um momento que o mercado musical brasileiro era dominado pela música pop e há poucas semanas havia ocorrido o lançamento do KLB, que também tinha se tornado um fenômeno.

Publicidade

Menos de um ano após o lançamento bem-sucedido do Twister, Luciano, um dos integrantes, teve um desentendimento com o empresário do grupo e decidiu deixar a banda. Para que não ficasse um trio, foi convocado Aleks Bandera para cantar em seu lugar. Pouquíssimo tempo depois, o grupo decidiu trocar de empresário e pediu o retorno de Luciano, tornando o grupo um quinteto formado por Sander Mecca, Leonardo Richter, Luciano Lucca, Aleks Bandera e Gilson Campos.

No ano seguinte eles lançaram um álbum em espanhol e fizeram uma turnê internacional de um mês, além de serem chamados para abrir o show do Nsync no estádio Azteca, no México, para mais de cem mil pessoas.

Publicidade

Pouco tempo depois o grupo sofre dois baques que definiu o destino dos integrantes para sempre: a gravadora Abril Music faliu, impedindo que o terceiro álbum do grupo fosse lançado, e Sander Mecca, principal vocalista do Twister, foi preso acusado de tráfico de drogas.

Publicidade

Publicidade

O grupo chegou ao fim oficialmente em 2003. Sander passou um bom tempo preso antes de conseguir provar que era usuário e não vendedor de drogas. Ele inclusive se internou algumas vezes em uma clínica de reabilitação.

View this post on Instagram

#arteemqualquerparte Dia de tocar no metrô de SP

A post shared by Sander Mecca (@sandermecca) on

Em 2017 foi descoberto que ele cantava no metrô de São Paulo para ganhar a vida com os trocados que os passageiros decidiam doar após vê-lo cantando. Em 2019, tentou voltar a cantar, mas acabou trocando o retorno aos palcos por uma nova internação em uma clínica de reabilitação, conforme mostrou o programa Domingo Show, da Record TV.

Pouco depois do fim do Twister, Gilson Campos migrou para a música gospel. Ele se converteu pouco antes do fim do grupo, por intermédio de uma namorada, que hoje é sua esposa e mãe de seus filhos. Ele já lançou alguns álbuns e tem vários vídeos na internet de passagens por igrejas.

Luciano Lucca mudou de carreira e abandonou a música. Especializou-se na área de beleza e passou a trabalhar em uma barbearia badalada de São Paulo, além de ser fotógrafo. Há quatro anos se candidatou a vereador em Campinas, mas não ganhou o pleito.

Aleks Bandera ficou um bom tempo morando nos Estados Unidos. Se especializou em produção e fotografia artística e criou vários projetos musicais, como de música eletrônica e hip hop.

Leo Richter continua tocando em bares de São Paulo e do interior com as bandas das quais faz parte, bem como se tornou produtor musical, produzindo DVDs de artistas conhecidos, como o ex-RBD, Christian Chavez, e do funkeiro MC Gui.

O grupo voltou entre 2013 e 2014, lançou single novo, mas por motivos jamais esclarecidos oficialmente, eles optaram por encerrar a parceria e permanecer em seus projetos pessoais.
Em 2020, Gilson Campos anunciou, pelo Instagram, que o grupo fará um show comemorativo pelos 20 anos da banda logo após o fim da pandemia de coronavírus.

Publicidade

Escrito por Guti M

Redator de entretenimento e curiosidades