in

Daisy Lúcidi morre vítima da Covid-19 aos 90 anos e fãs lamentam na web

Divulgação - TV Globo

A pandemia do coronavírus segue assolando a população brasileira com o crescimento significativo nos últimos dias. Experiente na TV e no rádio, a atriz e radialista Daisy Lúcidi morreu na madrugada desta quinta-feira (7). A experiente profissional estava internada com a Covid-19 no Hospital São Lucas, desde o dia 25 abril. Por ser do grupo de risco da doença, ela acabou não resistindo,

Publicidade

Na última semana, o Neto de Daisy Lúcidi tinha informado o quadro de saúde da atriz e pediu orações.


“Gostaria, em nome da família, de pedir a todos os amigos e fãs da minha avó, Daisy Lucidi, que mandem boas vibrações para que ela consiga se recuperar dessa terrível Covid 19. No momento ela se encontra em estado grave, mas com situação clínica estável, respirando por aparelhos no CTI do Hospital São Lucas. Pedimos orações a todos, temos esperança!”,
disse ele.

Publicidade

 

Fãs prestam homenagem

Nas redes sociais, várias pessoas prestaram homenagem e foram solidários com os familiares de Lúcidi pela perda.

Publicidade

“Descanse em paz, a vida não acabou, sua existência aqui na terra terminou, mas a vida é uma só, tudo continua do outro lado”, escreveu um fã no Twitter.

Publicidade

Vasta carreira

Com 90 anos de idade, Daisy Lucidi tem uma vasta carreira na teledramaturgia. Natural do Rio de Janeiro, ela estreou na televisão na década de 1960, quando participou da minissérie “Nuvem de Fogo”, em 1963, na TV Rio. Um dos seus trabalhos mais recentes e lembrado por ter tido grande sucesso foi na novela global “Paraíso Tropical”.

O último último trabalho na TV se deu em 2015, em “Os Homens São de Marte…”. Além de todo o brilhantismo na teledramaturgia, Daysy se dedicou por muito tempo à política e ao radialismo.

Pandemia no Brasil

Crescendo exponencialmente nas últimas semanas, a pandemia do coronavírus já infectou mais de 125 mil pessoas no país, tendo computado mais de 8 mil mortes. O estado de São Paulo é tido como o principal epicentro da nação,  ultrapassando a marca de 3 mil vítimas fatais.

Publicidade
Publicidade
Publicidade