in

Anne With an E é um belíssimo seriado sem final

netflix

Alguns seriados podem ser “ame-o ou deixe-o”. E Anne With an E é um desses casos, de paixão absoluta ou de descaso imediato. Essa característica chama muito atenção, afinal de contas, seja bom ou ruim, todos querem ter a sua própria opinião. Anne se passa no Canada, pelos idos de 1900, quando uma órfã acaba sendo enviada por engano para um casal de irmãos idosos, que queriam um menino para ajudar na fazenda. Anne, uma ruivinha sonhadora e cheia de ideias e opiniões, acaba mudando totalmente a vida dos fazendeiros.

Publicidade

Seriado de maravilhosas paisagens e fotografia exemplar, a história foca não somente na personagem título, mas nas ramificações e consequências que cada ação tem – e como o destino de todos acaba interligado. A presença da jovem Anne, que por muitas vezes irrita o público com sua verborragia descontrolada e sua percepção de mundo voltada ao drama, acaba adoçando em igual proporção todos que têm contato com ela e abrindo novas possibilidades, novos sonhos e novos mundos.

Esse poder transformador da protagonista não é de graça: ao romper com padrões e com estigmas seculares, as forças que desejam manter tudo igual acabam criando diversos problemas para Anne e para todos que nela acreditam e com os sonhos dela se engajam.

Publicidade

E é justamente desse conflito de forças que surgem os momentos mais tocantes e as discussões mais válidas do seriado, que consegue abordar, em um contexto de mais de 100 anos de diferença, discussões que são válidas e presentes no dia a dia moderno, como a homossexualidade, a pressão por aceitar os ditames sociais, a necessidade da mulher em casar e se submeter aos maridos e homens em geral, e o feminismo em muitos momentos.

Publicidade

Contudo, ao invés de abordar temas tão polêmicos confrontando os estigmas, a série o faz com sutileza e habilidade, sendo propositiva ao invés de destrutiva: algo raro quando se falam nesses assuntos, o que é um grande ponto do roteiro e faz despertar a curiosidade sobre o livro que deu origem à série.

Publicidade

Não fosse a riqueza das discussões tratadas ao longo das curtas três temporadas, o seriado também triunfa ao apresentar personagens totalmente amáveis, com os quais o público se engaja instantaneamente – ou os repudia. Afinal, quase sempre é necessária alguma vilania para se apimentar qualquer trama.

Sem apostar nos conceitos absolutos de bem e mal, Anne explora com habilidade o fato de que as pessoas são fruto do seu tempo, da sua criação e da sociedade na qual estão inseridas; e poucos conseguem de forma espontânea romper com essas amarras invisíveis. E é justamente dessa força e determinação que vem o destaque da protagonista, bem como de seus pais adotivos e de seu eterno interesse romântico, o jovem Gilbert, que dá um show de personalidade.  

Infelizmente, a série acaba sem um final honroso, segundo consta, por falta de audiência (o que não é de espantar visto sua ousadia – se fosse no Brasil, poderia ser comparado com Hoje é Dia de Maria). O final mostra o que vai acontecer com a maioria dos protagonistas, mas que não faz justiça às trajetórias individuais e à riqueza do grande leque de personagens apresentados.

Até nisso Anne conseguiu ser original: evitou que a série caísse na modorra que geralmente acontece toda vez que os personagens são jogados em outras situação, forçando um final desagradável e sem entusiasmo. Ao acabar de forma abrupta e no seu auge, fica preservada a linda história da nefelibata Anne e de seus sonhos intermináveis. Forçoso admitir que grandes palavras são necessárias para expressar grandes ideias e, nesse caso, uma grande série. Bravíssimo.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem.