in

Angry Birds 2 serve como bom passatempo

Sony

Angry Birds é aquele típico filme que poucos adultos querem ver: baseado em um jogo de celular, no qual o grande mote é a briga entre porcos e aves, vizinhos em ilhas distintas. E ainda por cima ganhou uma continuação. Ou seja, expectativa baixa, próxima de zero. E isso é bom. 

Publicidade

Com menos de 90 minutos de projeção, a animação consegue ser visualmente agradável, e tem um enredo que, se não surpreende, também não enfadonha. Algumas escolhas musicais interessantes pautam o longa, que resolve incluir um novo vilão na história, forçando arqui-inimigos a botarem suas rusgas de lado para atingir um objetivo comum, que é salvar ambas as ilhas da destruição total. 

Leve, despretensioso e totalmente inofensivo, Angry Birds 2 certamente deixou muitos pais tranquilos para exibir ao seus filhos o longa, que resolveu apostar em uma daquelas figuras meio destacadas da história principal, com toda a cara de uma história curta, como foi o esquilinho Scratch em Era do Gelo.

Publicidade

Nesse caso, as figuras destacadas são três passarinhos bebês fofos e que geram as risadas mais espontâneas do longa, além de serem uma grande possibilidade de vendas e marketing em geral, e que, certamente, agradaram aos pequenos. Isso, sem contar, os dubladores, que razoavelmente conhecidos, ajudam a dar o clima do filme.

Publicidade

Assim, Angry Birds, com seus personagens meio caricatos, visual coloridos, e enredo ok consegue se transformar em uma diversão leve para aquele momento no qual não se quer pensar muito e que serve bem para uma tarde chuvosa ou quando todas as opções já foram cobertas.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Bene!

Um curioso acima de tudo. Amante das artes, busco viver sem rótulos e explorar o que a alma pede. Escrevo sobre o que gosto, amo, odeio, me faz pensar e me faz sentir. Espero que minhas ideias, palavras e ações sejam meu legado. Bem vindos e espero que gostem.