in

Claudia Raia diz que encontrou algoz de Daniella Perez após o crime e relata detalhe assustador: ‘Carne viva’

A atriz participou do documentário Pacto Brutal, que estreia na próxima quinta-feira (21) pela HBO Max.

CONTIGO | REPRODUÇÃO

Na próxima quinta-feira (21), estreará o documentário Pacto Brutal, que será exibido pela HBO Max. O projeto contará detalhes sobre a morte da atriz Daniella Perez em 1992, no auge de sua carreira. A filha de Gloria Perez foi assassinada pelo ator Guilherme de Pádua e pela esposa, Paula Tomaz. 

Publicidade

Segundo as investigações, Guilherme, que fazia par romântico com Daniella na novela Corpo e Alma, passou a pressionar a atriz quando teve suas cenas reduzidas na trama. O ator interpretava Bira, e foi perdendo destaque quando Yasmin, personagem de Daniella, retomou o romance com Caio, interpretado por Fábio Assunção. Pádua pedia para que a colega de trabalho conversasse com a mãe, autora da trama, sobre seu papel.

Após não ter seu pedido atendido, Guilherme de Pádua e Paula Tomaz armaram uma emboscada para a atriz, que foi atingida por cerca de 18 golpes de faca após ser desacordada pelo ator. A atriz Claudia Raia é uma das pessoas que participam do documentário contando relatos da época. Claudia ensaiava uma peça junto à Daniella no período do crime.

Publicidade

A atriz contou que recebeu uma ligação de Raul Gazolla, marido da vítima, contando sobre a tragédia e pedindo para que ela fosse até a delegacia. Ao chegar no local, Claudia teve um breve contato com o algoz de Daniella Perez. Segundo ela, Guilherme de Pádua chorava muito e se mostrava bastante emocionado.

Publicidade

Um detalhe assustador chamou a atenção da atriz à época. “Tinha, na parte do antebraço, arranhão de unha de mulher. Me chamou a atenção aquilo. Guardei pra mim. Era recente. Estava meio em carne viva“, contou Claudia. Mais tarde, foi comprovado pela polícia que, de fato, Guilherme havia assassinado a atriz. Ele e Paula Tomaz foram condenados a 19 e 15 anos, respectivamente, mas não passaram nem uma década na prisão.

Publicidade
Publicidade