in

Em Pantanal, Zaquieu expõe passado sofrido e comove Filó com triste história de vida: ‘criado num chiqueirinho na lavanderia’

O mordomo voltará ao bioma e se aproximará de Filó; ele abrirá seu coração e revelará seu passado sofrido para a dona de casa.

Foto: Reprodução/ TV Globo

Em Pantanal, Zaquieu voltará para o bioma e será surpreendido com a recepção de todos os peões e do anfitrião José Leôncio. Após ter sido expulso por Filó de sua cozinha, o mordomo de Mariana se viu perdido e sem o que fazer e acabou decidindo voltar para o Rio de Janeiro. No entanto, ele sentirá falta de sua patroa e acabará voltando para a fazenda do Rei do Gado.

Publicidade

Após ter sido distratado por todos por causa de sua sexualidade, Zaquieu se sentiu vulnerável devido aos episódios de homofobia. Contudo, na segunda vez que irá para o bioma, ele será muito bem recebido. Ele fará as pazes com Filó e se aproximará da dona de casa. O mordomo chegará a contar sua triste história de vida e comoverá a mãe de Tadeu. “Eu fui criado num chiqueirinho na lavanderia”, dirá o funcionário de Mariana.

A vó de Jove ficará muito feliz ao saber que seu mordomo decidiu voltar para a fazenda de José Leôncio. Ele dirá que não consegue ficar longe dela e afirmará que continuará no bioma até quando ela quiser. Zaquieu afirmará que não conseguiu ficar morando na mansão sozinho e que por isso voltou para o Pantanal. José Leôncio ficará contente que o rapaz voltou e organizará até uma festa para dar boas-vindas ao fiel escudeiro de Mariana.

Publicidade

Apesar de ter se acertado com Filó, Zaquieu insistirá em ajudar a dona de casa na cozinha. Eles se aproximarão e acabarão se tornando verdadeiros amigos. O rapaz revelará que é filho de uma empregada e que nasceu na casa de luxo dos patrões de sua mãe.

Publicidade

A mãe de Tadeu ficará comovida com o relato de Zaquieu e questionará sobre o seu pai. O rapaz, por sua vez, dirá que nunca conheceu seu pai. Ele dirá que sua mãe não tinha família no Rio de Janeiro e que ela o teve na dependência da empregada, onde vivia na casa dos patrões. “Pra se ter uma ideia, a minha mãe me pariu na dependência de empregada… Quando a bolsa dela estourou, os patrões tinham saído para jantar e, como ela não conhecia ninguém no Rio, acabou me tendo ali…”, relatará o rapaz.

Publicidade

Zaquieu ainda dirá que o patrão de sua mãe era um homem muito bom e que sempre esteve por perto dele quando sua esposa não estava em casa. No entanto, sua mãe acabou sendo demitida quando ele chamou o patrão de pai. O mordomo relatará que eles foram mandados para o olho da rua, sem ter lugar para onde ir. Após a demissão, sua mãe nunca conseguiu para em um emprego fixo e acabou voltando para a sua terra natal. Já ele ficou sob os cuidados da última patroa de sua mãe.

Publicidade