in

Pessoa que vazou informações do caso de Klara Castanho pode sofrer a pior punição; fato está sendo investigado

A atriz revelou que sofreu violência de uma profissional de saúde; caso está sendo investigado pelo Cofen.

Foto: Reprodução/ Instagram/ Klara Castanho

Na tarde deste domingo (26), o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) se pronunciou após o caso da atriz Klara Castanho vir à tona. Neste último sábado (25), a atriz revelou por meio de uma carta aberta publicada em suas redes sociais que foi vítima de um abuso e que ficou grávida. No relato, a artista contou que entregou a criança para a adoção, pois não tinha condições psicológicas para cuidar do bebê.

Publicidade

Ainda no desabafo, a atriz revelou que foi vítima de outras violências. Klara relatou que meses após o crime começou a sentir fortes dores e que decidiu procurar um médico para descobrir o que tinha. A partir de vários exames, ela acabou sendo surpreendida com a informação de que estava grávida.

Na ocasião, a artista contou que o profissional que a atendeu a obrigou a escutar o coração do bebê e disse que ela teria que aceitar a criança como seu filho, pois carregava 50% de seus genes. Klara lamentou a falta de empatia do médico e contou que também sofreu violência de uma enfermeira, a qual teria divulgado as informações do parto da atriz.

Publicidade

Por meio de uma nota, o Cofen afirmou que o caso de Klara Castanho está sendo investigado e que medidas serão tomadas para punir os responsáveis que violaram a privacidade da artista, que tem seu direito assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente.

Publicidade

Publicidade

Ainda no comunicado, o Cofen lamentou o ocorrido e se solidarizou com a situação da atriz. O conselho ressaltou que o profissional de saúde deve zelar pela integridade do paciente e de seus dados pessoais. Por fim, o Cofen ratificou que o que aconteceu com Klara Castanho é crime e que o profissional não ficará impune. “O profissional de saúde que viola a privacidade do paciente em qualquer circunstância comete crime e atenta eticamente contra a profissão”, relatou o comunicado.

Publicidade