in

‘Me obrigou a ouvir o coração’, Klara Castanho conta que médico tentou induzi-la a amar o bebê: ‘50% do DNA eram meus’

Atriz revelou que foi vítima de abuso, ficou grávida e entregou bebê à adoção; ela detalhou o caso e lamentou a situação.

Foto: Reprodução/ Instagram/ Klara Castanho

Na noite deste último sábado (25), a atriz Klara Castanho utilizou suas redes sociais para expor que foi vítima de abuso sexual. Ela contou que ficou grávida e que resolveu entregar a criança à adoção, pois não tinha estrutura psicológica para cuidar do bebê.

Publicidade

Na carta aberta publicada em seu perfil oficial, Klara afirmou que não imaginou que o caso seria exposto nas redes sociais e que não pretendia contar o que havia acontecido. No entanto, a atriz disse que preferiu revelar a verdade, pois não estava aguentando ver seu nome vinculado a mentiras.

A atriz contou que foi abusada e que não estava na sua cidade quando o crime aconteceu. Ela também afirmou que não fez boletim de ocorrência, pois se sentiu envergonhada. No relato, Klara revelou que também sofreu violência médica, pois teria sido obrigada a escutar o coração do bebê. A atriz afirmou que o médico não teve empatia pelo seu caso e novamente foi violada.

Publicidade

A atriz revelou que o profissional que a atendeu teria a obrigado a escutar os batimentos do bebê, alegando que a criança – fruto de um abuso- também era seu filho e que continha 50% de seu sangue. Klara disse que o médico a tratou com frieza e teria afirmado que ela seria obrigada a amar o bebê, independentemente do que havia acontecido. “Esse profissional me obrigou a ouvir o coração da criança, disse que 50% do DNA eram meus e que eu seria obrigada a amá-lo”, disse a artista.

Publicidade

Publicidade

Klara relatou que começou a sentir fortes dores meses após o ocorrido e que resolveu fazer alguns exames para investigar a causa. Contudo, ela foi surpreendida ao descobrir que estava grávida. A atriz contou que não ganhou peso e que seu fluxo menstrual estava normal.

No dia que foi dar à luz, a atriz afirmou que passou por outra violência. Segundo Klara, uma das enfermeiras do hospital teria feito questionamentos e chegando a ameaçá-la, dizendo que a história poderia chegar nos ouvidos de um certo colunista, se referindo ao jornalista Leo Dias. A famosa lamentou a série de violências que sofreu e disse que o hospital e os profissionais deveriam ter preservado sua imagem. “Eu estava dentro de um hospital, um lugar que era para, supostamente, me acolher e proteger”, desabafou a atriz.

Publicidade