in

Filho e neta de Carlos Alberto de Nóbrega criam versão infantil da Praça e diretor detona o BBB: ‘sacanagem’

Marcelo de Nóbrega, filho de Carlos Alberto de Nóbrega e diretor da Praça é Nossa, afirma ser ‘sacanagem’ o que é feito na emissora carioca.

Reprodução/SBT

O programa humorístico a Praça é Nossa foi lançado há exatos 35 anos, por Carlos Alberto de Nóbrega que, na época, renovou o programa criado por seu pai, Manoel Nóbrega, em 1957, a Praça da Alegria. Atualmente, o programa exibido pelo SBT é o único sobrevivente do humor “raiz” na televisão brasileira.

Publicidade

No sábado (7), a atração foi renovada mais uma vez por Marcelo de Nóbrega e Dalila Nóbrega, filho e neta de Carlos Alberto.

Marcelo, o atual diretor da Praça é Nossa, se juntou com sua filha, Dalila, para produzir uma versão infantil do programa tradicional de humor, que ganhou o nome de A Pracinha. Nesta nova versão inédita, foi feita uma releitura de quadros tradicionais do humorístico e homenagens, além de contar com vários personagens novos. Também já se sabe que Marcelo Nóbrega assumirá o posto de seu pai no “velho e querido banco” da Praça.

Publicidade

Em conversa com o portal de notícias Observatório da TV, Marcelo afirmou haver atualmente muitas crianças boas, porém, não existe nenhum humorístico infantil, ressaltando que Chaves foi o último programa deste tipo na TV aberta.

Publicidade

O diretor da Praça ainda destaca que seu pai entra com o programa às 23h30, mesmo horário em que a Globo transmitia o Big Brother Brasil 22, que chegou ao fim no dia 27 de abril. Diante disso, ele ressalta ser “sacanagem” o que é feito na Globo, destacando que “eles apelam”. Marcelo diz ainda que em breve estreia mais uma edição de A Fazenda, da Record TV, programa que, segundo ele, transmite a mesma apelação, xingamentos e baixarias que o BBB. O filho de Carlos Alberto destaca ainda que o público gosta de ver baixaria, mesmo assim, com a estreia de A Pracinha, eles esperam mostrar que é possível ter conteúdos próprios para a família e crianças. “Que você pode fazer graça sem sacanagem”, completou.

Publicidade

Publicidade