in

Ator que interpretou Beiçola em A Grande Família expõe triste realidade e faz apelo: ‘Idoso não tem sossego’

O ator Marcos Oliveira revelou que está passando por dificuldades financeiras e pediu ajudas aos fãs para custear suas despesas sociais.

Foto: Divulgação/ UOL | Divulgação Site DOL | Montagem/ Laila Amorim

O ator Marcos Oliveira, que interpretou o personagem Beiçola, de A Grande Família, utilizou suas redes sociais para pedir ajuda aos fãs. Em um desabafo feito em seu perfil oficial no Facebook, o ator revelou que está passando por muitas dificuldades financeiras após uma cirurgia que o deixou impossibilitado de trabalhar. No texto, o artista disse que está fazendo uma vaquinha virtual para arrecadar dinheiro a fim de custear suas despesas pessoais.

Publicidade

Ele ainda revelou que precisará passar por outra cirurgia por conta de uma fístula que tem há anos. No entanto, devido à falta de dinheiro, o ator disse que não pode pagar pela operação e está esperando a liberação do Sistema de Regulação e Marcação de Consultas (SISREG), no Rio de Janeiro para conseguir o procedimento pelo SUS. Marcos revelou que, por conta da doença, precisa usar uma bolsa de colostomia e uma sonda urinária, o que o impede de atuar e fazer muitos movimentos.

No texto, o artista disse que precisa arrecadar em torno de R$ 50 mil para se manter até fazer a cirurgia. Contudo, Marcos disse que só conseguiu arrecadar metade do valor e, por isso, resolveu pedir ajuda aos fãs. “Quero e preciso trabalhar, mas até conseguir voltar e conseguir novos trabalhos, terei que custear toda minha vida, pagar minhas contas e tudo isso sem ter qualquer renda”, desabafou Marcos.

Publicidade

Na ocasião, o ator revelou a vontade de voltar para as telinhas, mas afirmou que isso não acontecerá tão cedo. Ele também disse que, após seus problemas de saúde, alguns amigos ainda o ajudam, mas não é o suficiente para manter seus gastos.

Publicidade

Por fim, Marcos aproveitou par criticar a situação do Brasil e a falta de investimentos no setor da cultura. “Idoso neste país não tem sossego”, desabafou.

Publicidade
Publicidade