in

Exame toxicológico de Paulinha Abelha aponta a presença de anfetaminas, substância comum em remédios para emagrecer

Substância encontrada era administrada junto com emagrecedores, e serve também para manter a pessoa ‘ligada’.

Instagram Paulinha Abelha

O exame toxicológico que foi realizado no corpo da cantora Paulinha Abelha, constatou que foi encontrado a presença de anfetaminas, provavelmente a mesma era um dos componentes dos remédios que ela usava para emagrecer. O documento divulgado ontem (7), apontou quais eram as substâncias encontradas no corpo da vocalista da banda Calcinha Preta quando ela ainda estava internada antes de falecer, no último dia 23, no Estado de Sergipe.

Publicidade

De acordo com a certidão de óbito da cantora, revelada ao público no domingo(6), a artista faleceu por causa da meningoencefalite, hipertensão craniana, problema de funcionamento dos rins e hepatite.

O exame foi divulgado pelo assessor jurídico do grupo de forró ao G1. Segundo o documento, Paulinha apresentava sinais de consumo de anfetaminas, substância comum em medicamentos para manter o peso ideal ou para emagrecimento.

Publicidade

O teste toxicológico foi feito no dia 21 do mês passado, o mesmo ainda indicou que foi encontrado a presença de barbitúricos, que devem ter sido usados nos sedativos enquanto ela estava internada, uma vez que isso não estava prescrito para a famosa. O medicamento também pode ser usado no tratamento de convulsões dos pacientes.

Publicidade

O resultado da biópsia feita no corpo de Paulinha indicou uma lesão hepática aguda, com vários agravamentos. Tudo leva a crer que isso foi causada pelo uso de medicamentos em excesso.

Publicidade

O assessor ainda divulgou uma lista com vários remédios e suplementos que eram utilizados por ela, com a prescrição de uma nutróloga, os mesmos servem para ajudar a controlar o peso. Inclusive um estimulante anfetamínico.

Anfetaminas são responsáveis por estimular as atividades centrais do sistema nervoso, as mesmas podem provocar uma aceleração na atividade do cérebro, fazendo com que a pessoa permaneça mais tempo acordada, se sentindo com menos sono.

Publicidade